Rafaela Silva supera fracasso em Londres para alcançar lugar mais alto do pódio

Rafaela Silva não segura o choro após conquista do ouro.
Rafaela Silva não segura o choro após conquista do ouro. Foto: globoesporte.com

Da cidade de Deus até o primeiro ouro olímpico do Brasil na Rio-2016. Essa é só uma parte da história da judoca Rafaela Silva, que teve que superar diversos obstáculo em sua vida para, enfim, chegar ao lugar mais alto do pódio.Após nascer e ser criada na favela Cidade de Deus, a brasileira de 24 anos teve de superar inúmeras barreiras para conquistar o ouro. Após o fracasso nos jogos olímpicos de Londres, em 2012, a judoca sofreu diversos ataques racistas nas redes sociais, pensando até em nem participar da atual edição do torneio.

Mas, como todos sabem, o brasileiro não desiste nunca. Rafaela adotou uma postura agressiva desde a sua primeira luta na competição. Na três primeiras lutas, a judoca foi arrasadora. Com muita força, técnica e garra, a carioca derrotou a alemã Myrian Roper, a coreana, Jandi Kim, e a húngara, Hedvig Karakas.

A partir de então, o sonho do ouro olímpico virava realidade. A lutadora recebia gritos de apoio de uma torcida fanática e sedenta por um resultado de expressão. A Arena Carioca 2, localizada no Parque Olímpico da Barra, só falta desmoronar, os brasileiros não paravam de gritar e incentiva-lá.

A luta mais emocionante até a conquista, aconteceu na semi-final. Contra a romena Corina Caprioriu, prata em Londres-12, a brasileira venceu apenas no Golden Score, após aplicar um belíssimo wasari. A vaga na final estava garantida.

Mesmo com pelo menos uma medalha de prata garantida, Rafaela queria mais. Ao entrar no tatame, era possível perceber o semblante de concentração e foco de uma batalhadora que não aceitaria a derrota de forma alguma. Na final, a adversária era Dorjsuren, da Mongólia. Faltando três minutos para a luta acabar, a judoca brasileira aplicou outro wasari. O árbitro precisou da ajuda das câmeras para saber qual foi o golpe aplicado. A decisão foi mantida e Rafaela estava na frente do placar.

Com a vantagem a favor, o tempo parecia não passar. Quando o cronômetro zerou, as lágrimas caíram dos olhos da carioca. A felicidade era tanta que ela não parecia acreditar, foi comemorar nos braços da torcida. Enfim, o primeiro ouro do Brasil nas Olimpíadas chegou. Chegou da forma mais suada, dramática, emocionante e espetacular. Rafaela Silva, o seu nome certamente sempre estará na memória dos milhões de brasileiros que acompanharam a sua saga pelo ouro.

Por Fernando Pacini.